Hoje, faz exactamente 2 anos que comecei a correr. Tudo começou na 2ª edição da Corrida Sporting, 14-10-2012.

Bem, não foi exactamente neste dia que comecei a correr, antes já o fazia. Corria para apanhar o autocarro, para atravessar a rua, para ir à casa de banho num momento difícil, para fugir da chuva, para não chegar atrasado às aulas, esta parte é mentira, mas fica bem dizer :)

E o que eu corria para não perder um segundo de um jogo do Sporting!? Parecia mesmo o Obikwelu a fazer aqueles sprints que só ele sabe!

Desde que me lembro que corro e nem sempre gostei.

Certo dia era eu uma criança com uns 5/6 anos, estávamos a passar férias na Figueira da Foz. Num dos passeios nocturnos levava pela trela o cão da prima Nelinha, o Pinóquio. Adorava aquele cão. Não sei o que se passou, mas o bicho fez um daqueles sprints do Obiwelu e não estava a contar com aquilo, tropecei em algo e lá fui eu de cara ao chão.

Levantei-me e olhei para o Pinóquio e vi que ele também estava triste com o episódio. Nada de especial, nem sequer me lembro se fiz algum arranhão.

Quando era criança fazia imenso desporto e o atletismo não era excepção. Sempre que havia uma prova na Covilhã e/ou arredores lá ia com os amigos a representar o CCD do Rodrigo (ex CPT do Rodrigo).

Era uma festa, pura diversão. Nem sequer ambicionava tempos ou lugares, corria por brincadeira e convívio. Já soube que há umas quantas fotos desses tempos, em breve vou resgata-las!

Passado mais de 20 anos, voltei a participar numa prova de atletismo.

2ª Edição Corrida do Sporting, 14-12-2012.

Nos meses que antecederam a prova, comecei a preparar-me para conseguir acabar os 10 km. Não foi nada fácil, corria 15 minutos e ficava completamente de rastos, só de imaginar que tinha 10 km pela frente até me causava suores. Lembro-me que na véspera estava tão ansioso que mal consegui dormir.

Lá estava eu e a Inês junto ao Estádio de Alvalade prontos para a minha estreia. Tínhamos o dorsal e chip e nem sequer sabíamos como usar aquilo. O dorsal era fácil, tinha o nome de cada um, este é meu, este é teu. O chip para colocar nas sapatilhas... ui, que é isto? Como se põe? Sei lá, ata aos atacadores e está a andar. Pois é, tal foi o mau jeito que acabamos por trocar os chips.

Corri com o dorsal Francisco Freire e chip Inês Barradas! Bonito!

Durante a prova fui correndo a medo entre a multidão e a pensar, isto é espectacular!

Milhares de pessoas correndo entre o estádio de Alvalade e o Marques de Pombal, sem trânsito. Uma perspectiva da cidade bem diferente do que estava habituado.

Cruzei a meta ao fim de 59 minutos com o nome Inês Barradas na classificação. Fiquei super contente ao entrar no meu estádio e ter pessoas a aplaudir e a gritar SPORTING!

 

A historia a partir desse dia vocês já conhecem: um pé à frente do outro.

Actualmente não estou no meu melhor momento, ainda assim, terminei 17 minutos mais cedo que a 1ª prova em que participei.

 

PS - Quanto mais corro no asfalto mais gosto de correr nos trilhos.