Que chuvada.

Acho que ainda há partes de mim que não secaram totalmente...


13 de Setembro

Chambon, Sul da Bretanha, França.

Depois de tomado o pequeno-almoço, saímos pelas 9 da manhã e lá segui para Vannes levantar o dorsal.

Esta prova ao contrário do normal, começava à tarde, pelas 15h.

Passados uns 60km feitos sobre chuva lá chegámos.

Esta prova começava em Auray e terminava em Vannes, e era aqui que os dorsais eram entregues na feira da prova.

A organização tinha autocarros para levar as pessoas de Vannes para Auray.

Chegados à feira fomos primeiro tratar dos dorsais.



As t-shirts da prova tinham versão homem e mulher, ambas com uns bonecos muito engraçados em que faziam uns trocadilhos em francês.

Ao levantar o dorsal perguntámos... (neste momento não estava a chover)

- Dizem que vai chover durante a prova.

- Namm... Aqui existe um micro clima, vão ver que não vai chover.

Ao sair aproveitei para tirar uma foto no cartaz da prova.


Seguimos para a feira do prova.

Era uma feira como as que tenho visto em outras provas.

Venda de ténis, meias de compressão, suplementos etc..


Havia um ou outro stand que também permitia a inscrição para sorteio de dorsais e lá preenchemos os papéis.

Num dos stands havia massagens gratuitas. E perguntaram-me se queria fazer uma massagem.

Agora ? Pensei eu. Mas podia-se antes da prova, ou depois, ou ambos !

Nem pensei 2 vezes...

Perguntaram que era pernas, costas ou ambos.

- Quero tudo a que tenho direito ! eh eh eh

Deitei-me na marquesa e fechei os olhos.

Senti duas mãos a massajar a minha perna esquerda...

Depois mais duas na direita...

- Ehhh lá... Isso é que é luxo !

Ainda estava a pensar no luxo e sinto mais duas mãos agora nas costas.

Três pares de mãos ?!?!?

A massagem não sendo longa, não foi feita a despachar, muito bom.

E lá voltámos à feira, passado poucos minutos começa a cair uma grande carga de água.

Lá nos abrigámos debaixo de um toldo... lá se ia a história do micro clima...

Pensámos...

- Bom vamos mas é para Auray, vamos para um café, comemos algo e fazemos tempo.

E lá seguimos o tempo todo sobre chuva.

Ao chegar a Auray uma coisa que achámos estranho foi não haver quase ninguém na rua.

Andamos a passear por lá um pouco e só encontrámos uma pastelaria aberta e um café.

Eu nem sou friorento, longe disso, mas mesmo tendo uma t-shirt térmica, corta vento e a t-shirt do Correr Lisboa, eu estava com frio e a começar a tremer.

Lá entramos no tal café.

Um café muito giro. 




(Estas duas fotos não são minhas mas tiradas na internet)

Pedimos um brunch a meias e por lá ficámos.

A chuva não parava.

Algum tempo depois, o dono do café vira-se para nós e pergunta.

- São Portugueses ?

Malta ele não disse "Vous êtes Portugais ?"... Disse em português mesmo, e em bom português.

Ficámos um pouco à conversa, ele tinha trabalhado com portugueses em tempos e chegou a aprender português.

Despedimos-nos e fomos à procura da partida.

Perguntámos a um rapaz que tinha pinta que ia para a prova e ela lá disse o caminho.

Ficámos ainda um pouco no carro a fazer tempo, e chovia chovia chovia...

Arrancámos e seguimos o mais perto possível da partida, ficámos num parque de estacionamento de um super mercado.

Ao nosso lado estava estacionada uma carrinha com dois cães lá dentro, a carrinha dizia que era de uma escola canina.

Passado um pouco o rapaz da carrinha coloca uma espécie de dorsais nos cães.

Pensámos...

- Será que os cães vão mesmo correr com ele ?

E perguntámos.

- Os cães vão correr ?

- Vão sim.

- E eles aguentam ?

- Sim eles estão habituados a correr comigo.

- E a organização permite ?

- Bem aqui nunca corri, se deixarem vamos senão voltamos para trás.

- Boa sorte.

- Obrigado. 

Esperamos só mais um pouco e lá fomos.

Estava frio e chovia muito mesmo.

Por momentos lembrei-me do Astérix, personagem que "habitava" não muito longe dali - a única coisa que eles temiam era que o céu lhes caísse em cima.

Lá seguimos e fui dar uma corridinha para aquecer.



(Os Cães só saíram depois de todos arrancarem e após a ordem do dono)

Ás 15h lá se deu a partida.

Vídeo apareço aos 0:30.

O primeiro terço da corrida até me correu bastante bem.

Há dois meses que não fazia uma prova, mas nem estava a sentir o hiato.

Durante este primeiro terço da corrida, dava por mim a correr numa média de 4:07 +/-.

A prova decorria em estradas bem tratadas por zonas rurais e várias vezes passámos por várias pequenas vilas.

Havia abastecimentos suficientes durante toda a prova.

Quando estava na feira vi o percurso em termos de altimetria.


Dias antes já tinha ouvido falar em 3 subidas, aos 8, 14 e 18.

Depois deste primeiro terço, começam as dificuldades.

Como tinha tido bastante frio, corri com tudo o que tinha vestido e passado esses kms comecei, como é normal a sentir calor.

Como se isso não bastasse, a chuva começou a abrandar e o sol começou a furar pelas nuvens.

E aí sim... Comecei a sentir muito calor. Como tinha posto a t-shirt amarela por cima do corta vento não conseguia abrir o fecho.

Podia ter parado mas não queria, pois depois para arrancar é sempre mais complicado.

E o calor, e as subidas...

Comecei a baixar o ritmo, a prova não estava a ser nada fácil.

Mesmo com mau tempo, em muitos locais, havia populares a apoiar.

Uma ou outra banda a tocar, e muitas crianças de mão esticada a pedir uma espécie de high5, aos que consegui lá dei.

Nesta altura já estava a resmungar com o tempo, o calor e as subidas.

Lá ia, mas cada vez mais devagar.

No primeiro terço dei por mim a ir passando bastantes pessoas, no segundo terço dei por mim a ser ultrapassado por quase todos que tinha passado creio eu.

Não estava a sentir bem.

E ao entrar no último terço da prova dou por mim com outro problema.

Já tinha descoberto há umas provas atrás, que eu não posso comer algo de chocolate ao pequeno-almoço.

Pois a coisa começa aos trambolhões na barriga e quer sair...

E esse foi o meu tormento nos últimos 6 ou 7 kms.

Ai sim, estava a correr acima dos 5m/km e desejar muito que aquilo acabasse.

A prova acabava num estádio de futebol com pista de tartan.

Acabei a prova com o tempo de 1:36:27 a muito custo.

Só me apetecia ir para casa tomar banho e secar-me.

Eram por volta das 16:40 e entrei num pavilhão para alongar e ainda consegui trocar alguma roupa.

A barriga tinha acalmando entretanto.

Pelas 18h iam ser entregues as medalhas aos vencedores, mas eu só me apetecia para casa tomar anho e beber algo quente.

Mas não fomos logo... isto porque a organização tinha anunciado que ia ser sorteado um Renault Twingo novo pelos participantes da prova.

Nós sabíamos que havia 1 hipótese dos 5000 participantes , mas nunca se sabe.

Lá nos fomos sentarmos-nos nuns bancos corridos e lá começou a cerimónia.

Que foi looooooooooooooooonga, e eu a ficar outra vez com frio.

Como é suposto esse sorteio foi a última coisa a ser feita.

Durante a entrega houve várias coisas curiosas...


As taças do vencedores...

3º Lugar - Taça Dourada

2º Lugar - Taça Prateada mas maior que a do 3º

1º Lugar - Taça prateada mas menor que a do 2º.


Aquilo foi estranho, mas não ficou por ai.

Nos vários escalões havias taças para todos os tamanhos e feitios.

Houve até num escalão feminino em que a 2ª classificada não tinha taça.

Speaker perguntou...

- Mas é mesmo assim ?

É claro que não era, mas creio que devem ter perdido a taça e lá foi a rapariga sem taça.

Algures durante a cerimonia...

- Então e a medalha ??

- Eu não tenho nenhuma, nem me lembro de terem dado medalhas.

Então ai uma rapariga que estava ao nosso lado disse que a "medalha" era a taça que nos tinham dado depois da prova.

- Ahhhhhhhhhhhh !!!

Era uma pequena taça feita de grés muito típica da zona.


(A minha é igual a estas mas da 41º edição, estas era de edições anteriores)

E lá chega então o sorteio do carro.

Regras do jogo:

Era tirado um dorsal de uma caixa, (os dorsais eram entregues depois da prova para essa caixa) a pessoa era chamada.

Tinha de estar presente e ter identificação.

Sai o primeiro nome....... ninguém diz nada.

Sai o segundo nome........ ninguém se acusa.

Sai o terceiro nome, e começa-se a ouvir um berros lá de trás.

Era o nome de uma senhora, ela ia a caminhar para o palco a chorar imenso.

Pensamos...

- Bem a mulher está mesmo emocionada com o prémio eh eh eh...

Errr... não era bem por isso.

Ela ao chegar ao palco disse que não tinha a identificação com ela.

Começam algumas pessoas a dizer...

- Próximo, próximo...

Até que chega lá um presidente da junta ou algo do género que afirmava que aquela pessoa era quem dizia ser.

Armou-se ali um pequeno sururu...

E o organizador passado algum tempo disse.

- Ok temos aqui "alguém" que afirma que a pessoa sorteada é quem diz ser. Obrigado pelo vosso desportivismo.

(a pessoa tem de ter identificação)

Afinal não é só cá que as regras são só para alguns.

Lá fomos para a banhoca e bebida quentinha.

A prova tirando os problemas de roupa a mais e barriga ás voltas é engraçada de se fazer, mesmo sendo dura.

Acima de tudo ficam as memórias de sítios muito giros que visitámos.

A Bretanha é muito gira de se visitar... e os bolos ? 

Arrrrrgh... só comi muuuuitos, isso e pão.

Eu lá quase que vivia de bolos e pão. 

Ahhhhhhhhhh......