Olá a todos ;)


No mês passado era para ter ido correr a Meia Maratona de Gondomar, mas devido a uma pequena lesão não fui :(

Estava também inscrito na Meia de Almada que era na semana a seguir, o normal teria sido correr a de Gondomar a dar-lhe forte e fazer a de Almada estilo treino longo.

Ora tendo estado parados durante vários dias e como Almada era aos altos e baixos não fui numa de correr a 100%.


Para ir para Almada encontrei-me com o Marco Pires e a Rita Ribeiro pelas 17:30, a corrida era às 19h e estávamos com tempo.

Seguimos em direcção à ponte e lá fomos conversando sobre o quê ? 

Corridas :D

Pelo meio da conversa a Rita disse que nas suas Meias acontecia sempre algo e que o resultado final nunca era o pretendido ou expectável. O recorde dela estava na 1h50m.

Sabendo eu que ela tem feito provas de 10k e a das Fogueiras (15km) a ritmos abaixo dos 4:30m/km estava a achar estranho esse recorde à meia.

Perguntei "Então e hoje vais apontar para que tempo ?".

"Assim lá para as 1h45m..."

"O quê ?? Estás a gozar connosco. Tu tens capacidade para correr abaixo das 1h40m, assim lá para as 1h38m de certeza."

Ficámos ali um pouco a "discutir" tempos, entretanto começamos a ficar com receio de chegarmos atrasado ou mesmo em cima da hora  pois tinha havido um acidente antes da ponte... pára arranca... pára arranca...pára arranca...

Passado o acidente a coisa lá começou a fluir e seguimos apontados a Almada.

Chegados à rotunda do Centro-Sul entrámos num dos parques aconselhados pela organização, o parque já estava cheio, mas com algum jeitinho o Marco inventou um lugar e lá nos safámos :)

Entretanto combinámos também um ponto de encontro com o João Veiga que estava também a estacionar noutro parque ali ao pé. 

Saímos do carro e fomos tratar de várias coisas, ir ter com o João, uns tinham de ir à casa de banho e eu precisava de ir ao bengaleiro deixar umas coisas.

No bengaleiro encontrei o Nuno André, quem lê as minhas crónicas já sabe que isto é um hábito :D

Tendo isto tudo tratado aproveitámos para tirar uma foto de grupo da malta Vicentina que estava por ali.


Após a foto fomos dar uma corridinha para aquecer.

Tendo já decidido não ir correr a 100% lembrei-me de novo da conversa da Rita.

"Rita, coloquei aqui o relógio no modo 'Corredor Fantasma', 21.1km em 1h38m e ele vai dizendo se estamos à frente desse ritmo ou atrás."

A Rita disse para lá umas coisas em Latim ao qual eu não liguei ah ah ah.

Apesar da corrida ter bastantes subidas e descidas acreditava que ela tinha cabedal... ups sou Vegan não devo dizer isto... ela tinha FIBRA para conseguir esse tempo.

Passado pouco tempo lá nos encaminhámos para o nosso bloco de partida.

Blocos de ritmos na partida é sempre uma coisa bem-vinda nas provas, pena que alguns não a respeitem.

Nas entradas dos blocos estavam membros da organização a verificar se o atleta tinha a pulseira que lhe permitiria a entrada nesse bloco.

Já dentro dos blocos a única coisa que separava os blocos era uma pequena fita, o que basta, não é necessário mais nada, o problema é que várias pessoas estando cá atrás decidiam passar por debaixo da fita e "saltar" um bloco...

Lamentável.

Quando foi dada a partida viro-me para a Rita no gozo e berro "Vamos Rita bora siga siga !"

O início da prova era junto ao Jardim da Paz e começava logo com uma subida para lembrar os mais esquecidos que esta prova ia ser uma montanha russa.

Logo a seguir à partida digo à Rita que eu marcaria o ritmo programado e que lhe ia dizendo como estávamos indo.

Ela respondeu que não ia falar durante a prova senão cansar-se-ia mais depressa.


Feita a subida fez-se então uma longa descida apontados a uma rotunda que fica muito perto da rotunda "Centro-Sul", aí seguimos para a parte velha de Almada.

A prova ia-se fazendo por algumas ruelas apertadas, eu segui à frente e ia muitas vezes olhando para trás. Não queria estar nem ao lado dela nem fugir muito, a ideia era estar sempre uma distância +/- igual durante toda a prova.

Por vezes ia-lhe dizendo para correr mais junto a um lado ou a outro e ia-a informando quantos metros tínhamos de vantagem sobre o programado.

No início estávamos a correr um pouco acima do ritmo delineado, mas foi propositado. Eu sabia que mais tarde na subida (pelo km 15) que engloba 3 avenidas (25 de Abril / D. Afonso Henriques / Dom Nuno Alvares Pereira) ia-se perder bastante tempo.

Seguimos correndo e íamos acumulando a tal vantagem, quando chegámos aos 150m de vantagem disse então que íamos estabilizar.

Perguntei-lhe se estava ok ao qual ela respondeu com um acenar de cabeça.

Ao fim de 3km entrávamos na Base Naval.


Mal se entrava na Base ficávamos cercados por bastantes árvores, e aqui deu-se a maior das subidas, não contando com a troika de subidas do km 15.

O ritmo baixou significativamente, perdemos alguma da vantagem que tínhamos, ao chegar ao topo estávamos apenas com 80m de vantagem.

Ainda antes da descida que nos levaria junto ao Rio Tejo, passámos junto a alguns edifícios da Escola Naval.


Chegados ao topo, disse à Rita para tentarmos recuperar algum tempo perdido na subida, mas sem loucuras.

No abastecimento disse à Rita para não se preocupar com a água.

"Foca-te no teu ritmo, eu vou buscar-te a água."

Acelerei um pouco e agarrei em duas águas, e abri a tampa de uma delas, ainda à frente, deixava-me ser apanhado aos poucos por ela, ao mesmo tempo que lhe esticava o braço de modo a lhe dar a garrafa.

Coisas destas só no Breaking2h ah ah ah

Após isso era +/- 1.5km quase sempre a descer, chegados ao fim da descida virávamos à esquerda e corríamos então acompanhados com o Tejo mesmo ali ao lado.

Tínhamos então uma vista espectacular sobre Lisboa. Mas para além do Tejo tivemos também outra companhia bastante presente... o Vento.

O que soprava de frente não era Vento, era uma jacto de ar. Eu com o meu corpanzil tentei colocar-me à frente a Rita para fazer alguma espécie de túnel de vento. Errr... Foi um apenas um pequeno cone...

Obviamente que ela deve ter ganho uns fortíssimos 0.0001s/km comigo ali à frente :\

Foi quase 1km a correr junto ali ao Rio, após isso entrámos de novo para uma zona mais interior com alguns edifícios.

Esta prova foi pouco tempo depois do suposto assalto a Tancos, digo suposto pois nesta altura já há várias teorias.

E uma coisa que achei estranho foi a falta de presença de militares por ali.

Estava à espera de ver alguém, nem que seja a controlar se algum de nós não se enfiava por algum edifício.

Pouco depois passamos por outra zona muito gira da base, aqui passámos junto a uns quantos navios ancorados na base.


Contornámos os edifícios que se vê na foto e em seguida saíamos da Base Naval, apontados à Lisnave.


Aqui foram os 3km da desilusão.

Não de ser feio ou desinteressante o percurso, mas no sentido em que corremos no interior de um antigo gigante da Indústria Portuguesa.

Passámos por vários edifícios gigantes entregues ao abandono ou pelo menos parece.

A Lisnave desde 2000 que está fechada, todo o seu trabalho é agora feito em Setúbal na antiga Setenave.

Dentro da Lisnave a nossa prova cruzava com a de 10km, o que me baralhou um pouco as contas dos abastecimentos, pois em poucos km dei conta de 3 abastecimentos se não em engano.

Lembro-me de ter agarrado as nossas águas e pouco depois até ter dito em voz alta. "Outro abastecimento ?".

Num deles havia também bananas, levei uma também caso ela quisesse mais tarde, acabou por não querer e comi-a eu. :D

Mesmo antes de sairmos passámos junto ao mítico pórtico da Lisnave. Diz a wikipédia que o menino pesa 300 toneladas

É bom que não tombe :) É coisa para fazer um galo valente no mínimo...


Já é a 3ª vez que faço de "lebre" a título privado, a este serviço poder-se-ia chamar um serviço V.I.P..

V.I.P. - Vicente Important Person :D

Saídos da Lisnave aproximava-se então "A subida"... Tínhamos até então recuperado de novo uma vantagem de +/- 120m.

Será que chegaria ?


A subida foram +/- uns 70m a subir em quase 2km.

Durante a prova fui acompanhando a Rita e dizendo-lhe uma coisa ou outra, nada de berrar com ela, ou estar constantemente a puxar e a exigir mais e mais.

Sabia que ela estaria a correr perto dos seus limites e ninguém ali é profissional, temos de nos divertir dentro do esforço que estamos a fazer.

Dei-lhe algumas palavras de alento durante a subida, disse que estávamos até acima do programado, que continuávamos com vantagem.

Apesar de ter apontado para os 1:38 a ideia era ficar ser sub 1:40. tendo eu "imposto" uma margem ainda acima dos 1:38 para a subida, mesmo que a perdêssemos tínhamos ainda 2m de folga.

E para perder isso só com um azar inesperado.

Quando estávamos muito perto do fim da subida vi que tínhamos acabado de perder a vantagem e começávamos a ficar atrás do programado.

"Rita a vantagem foi-se mas não há stress pois agora temos uma boa descida pela frente e dá para recuperar de novo."

E assim foi, 1km sempre a descer, e voltámos a ter de novo folga para o tempo projectado.

Durante a prova algumas vezes ouvimos...

"Força é a 3ª rapariga,", "É a 4ª.", "É a 1ª."

Apesar de a maioria das vezes termos ouvido que a Rita estava em 4ª achámos estranho o 3ª e 1º lugar "atribuído".

Após a descida entrávamos de novo no Jardim da Paz, e lá vinha ainda mais uma subida bem íngreme.

Mal acabamos a subida, uma rapariga que estava a assistir voltou a dizer...

"Está em 4º." ao qual acrescentou "E a 3ª está ali à frente."

Ehhh láááá....

Por esta eu não estava à espera. Continuámos a correr e numa curva apertada à nossa frente consegui ver a 3ª classificada.

Deveria estar a uns 100m à nossa frente se tanto e tínhamos passado o km 19 há pouco tempo.

Nunca a tinha visto antes, e presumi que devia estar a quebrar, viro-me para a Rita e digo-lhe que acreditava que ela com um esforço extra a conseguiria ultrapassar.

O fim da prova não era já ali o que daria tempo para a aproximação e possível ultrapassagem.

Aos poucos e poucos fomos conseguindo nos aproximar.

"Bora Rita tu consegues !"

E aos poucos e poucos ficámos mesmo atrás dela.

Aqui fiz algo, pensando agora, que não deveria ter feito.

Vinha a incentivar a Rita que ela iria conseguir, algo que a outra atleta deve ter ouvido, e quando eu a ultrapassei ainda mais alerta ela ficou.

Aí lembrei-me "Não pah, tenho é de ficar atrás dela para não ser lebre dela também.".

E desacelerei. Calei-me e fazia só olhares e gestos no sentido "Bora é agora tu vais passar-lhe à frente.".

A Rita já deveria ir no limite dos limites, mas lá esticou mais um pouco e ficou lado a lado com a outra atleta.

Pensei "Ela vai conseguir isto é épico !"

Bater o recorde pessoal e ainda ir ao pódio não só de escalão, mas da geral :D

Infelizmente a outra atleta ao ver o seu lugar em risco fez também um esforço de começou a descolar da Rita e não quebrou mais.

Creio que a Rita ao ver ela a fugir já estourada com o ritmo da prova, terá desmoralizado um pouco e deixo-a ir, o que é natural.

Não dava para "exigir" mais :) 

Mas a meu ver isso um pequeno "Olha deixa estar, fica para a próxima.".

Perto da meta faltava ainda uma subida final, dei-lhe uma última motivação.

"Rita, está feito, vais bater o teu recorde e ainda vamos chegar antes do programado !"


Acabada a subida, estava ali a meta lá em baixo, ainda deu para ela acelerar um pouco e passar-me poucos metros antes do fim.

Tempo final : 1h37m32s ! 

Toma lá novo Recorde :D Quase menos 13m do anterior.

4ª da Geral, 3ª do Escalão. Pena só ter havido pódio para a geral masculina e feminina.

De parabéns ficou também o Marco que também bateu o seu recorde.

Bom e para mim a época ainda não acabou, falta ainda uma meia em Agosto, mas sobre ela irei falar em breve ;)

Abreijos !