adidas

Blog Detalhe

Demasiado pálido... para ser Queniano #39 - 34ª Meia Maratona de Reykjavik

Olá a todos ;) 


Ora cá estou eu para a última crónica da época 2016/2017.

Sim em Agosto ainda tinha uma prova para fazer.

Como costumo dizer que os meus melhores tempos foram (excepto um) todos feitos em dias frios e por vezes chuvosos.

Ora se é para correr no frio, vamos então correr na capital mais a norte que existe... Reykjavik.

http://cdn.shopify.com/s/files/1/0804/2431/products/M_latitude_2_black_grande.jpg?v=1484225572

A Islândia tem uma hora de diferença em relação a Portugal Continental, ou seja está no fuso horário dos Açores.

Dois dias antes da prova fui à expo da corrida. Dei lá uma volta e via-se os stands do costume.

Em termo de tamanho devia ser pouco maior que a de Lisboa.

Fui buscar o dorsal e logo de seguida a t-shirt que tinha uma frase estampada que traduzida significa "Corre com o Coração".

Ao sair da zona dos dorsais reparei num poster em que mostrava que havia caixas de ritmos na partida.

Não me lembrava de na inscrição ter dito qual o meu tempo ou de ter enviado algum comprovativo, fui então perguntar...

Disseram-me que não era preciso comprovativo e que cada pessoa se colocaria na sua zona correspondente.

E ainda perguntei "Mas ninguém controla a entrada nas caixas ?"

Resposta "Não, cada um decide onde se encaixa melhor."

E nestas coisas que vemos que estamos muito atrás, cá não iria funcionar.


Dia da prova.

Acordei pelas 5:00 +/-. Tomei o pequeno-almoço e voltei a deitar-me um pouco para fazer tempo.

Há já uns meses que tenho andado a treinar várias vezes por semana, mas essa preparação é em vista à Maratona de Valencia (ESP) em Novembro.

Apesar de o alvo ser Novembro, é normal que sinta alguma diferença nas provas entretanto. Tendo isso em mente coloquei o meu relógio em modo "corredor fantasma", ou seja defini a distância de 21.1k para o tempo de 1:28.

Na altura não pensei muito nisso, mas fui demasiado conservador. A ideia é durante a prova o relógio dizer-me a que distância estou desse "corredor" seja à frente ou trás.

Se fizesse na casa dos 1:27 já era um tempo bom para mim pois em média estou mais nos 1:28/29.

Passado algum tempo, fiz-me a caminho da prova, lembrei-me que por essa altura já estava a malta do Correr Lisboa a fazer o seu treino longo na Expo.

Junto à partida havia uma mansão onde era o guarda-roupa, e aqui encontrei mais um exemplo de confiança nas pessoas.

A mansão tinha várias salas, num lado para os homens no outro para as mulheres.

Para deixar as minhas coisas o sistema era este...

Recebíamos um saco transparente com um autocolante e aí escrevíamos o nosso número.

Íamos para uma sala onde estavam outros atletas, deixávamos as coisas no saco e deixávamos lá o saco.

Eu como latino perguntei como é que era a segurança, e quem controlava os sacos. Ao qual me responderam as raparigas que estavam lá que eram elas mesmo...

Eu poderia ter entrado na sala, olhava para os sacos, via o que estava lá e podia ter tirado algo no meio daquela malta toda. 

Ok vamos pensar é tudo gente séria.

Segui para o meu aquecimento, antes ainda deu para tirar esta foto.

Estive a aquecer em frente à partida de um lado para o outro, passados uns 10min ouviu-se primeiro em islandês e depois em inglês para os atletas se dirigirem para os seus blocos de partida.

Lá me dirigi para o meu que era o primeiro bloco. O "Amarelo (deu sorte) Sub 1:35".

Não éramos poucos no bloco Amarelo mas havia espaço para todos. Quando digo espaço digo mesmo E S P A Ç O.

Eu podia esticar os meus braços ao lado e não tocava em ninguém. Eu estava a uns 8m da partida e ainda tinha uma série de gente à minha frente. Na maioria islandeses, mas também dei conta de um chinês e alguns americanos.

A partida da Meia e Maratona era dada ao mesmo tempo. Quando dei conta faltava menos de 1min para a partida e mais uma vez se viu o civismo daquela malta.

Apesar de estar "longe" da linha de partida, ninguém se saiu do sítio onde estava.

Ou seja, mesmo quem estava na primeira linha, e ainda estavam a uns 5m +/-, e aí ficaram então pensei.

"Mas não se avança para a linha de partida ?" 

Ninguém avançou e eu também não, estavam 8º de temperatura o que para mim era óptimo.

Vídeo da partida (Vejam bem onde está o pórtico e onde estamos todos nós, do outro lado da rua também havia uma partida, era indiferente estar de um lado ou outro)

Para quem conhece a Maratona de Sevilha, a partida é igual, uns de um lado outro do outro.

E lá se deu a partida, só liguei o relógio ao passar mesmo no tapete da partida. Fomos em frente nessa avenida que dava a um lago, o qual se atravessava por uma pequena ponte.

Pouco tempo depois entrávamos numa zona de vivendas. Aqui praticamente todas as pessoas estavam à porta a aplaudir os atletas. Aliás, mais ainda, muitas das pessoas tinha colocado mesas com várias bebidas e bolos para quem quisesse. E com muito bom aspecto mesmo.

Ao fim de 2km, estávamos ainda na zona de vivendas mas voltávamos a ter o mar ao nosso lado.

O percurso era na grande maioria plano, por vezes havia uma ou outra subida/descida mas nada do outro mundo.

Como normal no início ia a correr abaixo dos 4m/km, estava fresco e sentia-me bem.

Os km iam-se passando e continuava com a média total abaixo dos 4m/km. Vi que ia bem e lá me deixei ir, pensei "Olha se rebentar mais tarde logo se vê."

No primeiro abastecimento tive uma decepção, não me tinha lembrado de ver como eram os abastecimentos... eram de copo.

E não havia muitos voluntários a dar os copos, havia era muitas mesas ao comprido cheias de copos.

Ainda agarrei um copo que com o impacto ficou quase vazio e tentei apanhar outro e não consegui........

Fiquei pior que estragado. A corrida seguia, e desde o início que fui com um grupo de uns 8 atletas e íamos todos na mesma onda. Tentei acompanhar sempre esta malta, lembrei-me que o meu melhor tempo (Meia de Caminha 2015) corri durante uns 13km com um grupo do Boavista, o que me ajudou imenso. Sempre a pensar "Não largues esta malta !".

Do início até +/- ao km 8 grande parte da prova foi entre as vivendas e o mar e apesar de não ter tanta gente a apoiar como nas provas em Espanha, fiquei surpreendido com o apoio, mais do que estava à espera.

Em vários locais ao longo da prova, estavam várias ONG's que tinham pedido apoio ao atletas, podíamos ter corrido por uma ONG obtendo fundos para a mesma ou ter feito uma doação na inscrição.

Lembro-me que fiz uma pequena doação mas já não me recordo para qual delas.

No km 9 entrávamos numa zona industrial, com armazéns e lojas de maior dimensão. Aqui a certa altura estava um homem com uma mangueira a lançar água para cima, de modo a dar banho a quem quisesse.

Eu e a maioria do grupo fugimos ao banho. Continuava fresco e não queria ficar com os óculos todos pingados.

Foi também por aqui que passámos no km 10. E no tapete de checkpoint estava um relógio a marcar 0:39:45 creio.

Apesar de ter sempre o relógio debaixo de olho, e saber a que ritmo estava a correr, foi um despertar para o tempo que estava a fazer.

"Epah estou a ir bem e sinto-me bem."

Pensei que se não tivesse algum azar ia fazer um bom tempo, pensei na altura 1h27 ou mesmo 1h26.

Seguimos juntos em direcção à marginal de Reykjavik. O resto da prova iria ser feito aí, seguir-se-iam 5km sempre em frente e feito o retorno e voltava-se em direcção à meta.

Durante este caminho, fui sempre focado em não largar o grupo que aos poucos e poucos se ia desfazendo, desfazendo mas estando todos +/- perto uns dos outros. Continuava-me a sentir bem o que me estava a surpreender bastante, pensei que os treinos que tenho feito afinal estão a dar algum resultado :)

Antes de fazer o retorno havia uma subida longa e já com alguma inclinação, subida essa em que quebrei um pouco mas não muito do meu ritmo.

Nesta altura comecei a sentir que ia fazer um bom tempo mesmo, agarrei-me a essa ideia e não deixei fugir a malta que corria comigo, continuava-me a sentir relativamente bem e apesar de ter abrandado consegui fazer esse km em 4:11/km.

Feita a subida voltei a acelerar e a correr abaixo dos 4, agora beneficiando da descida. No retorno havia mais um abastecimento. Não peguei em nenhum copo, estava tão focado no ritmo que não queria perder tempo a agarrar um copo e ainda correr o risco de me engasgar.

Não sentia sede pois a temperatura continuava a estar baixa. Teria preferido beber um pouco numa garrafa, mas em copos nem arrisquei.

Pouco depois lá estava a subida de novo. Neste momento o tal grupo já estava mais esticado mas dava para os ver quase todos pouco à minha frente. Feita a subida e a subsequente descida, é que me bateu então forte e feito.

A minha média total até então estava nos 3:57/km. Lembrei-me que o ritmo do meu recorde era 4:04m/km.

"Epah ?!?! Eu vou bater o meu recorde ???" Só nesta altura é que me apercebi disso.

Estava a fazer a corrida toda aquele ritmo e sem me sentir a correr no redline.

Estava numa mescla admirado/êxtase, voltei a focar-me no ritmo e no atleta com quem corria lado a lado há já algum tempo.

Ao voltarmos de novo à marginal junto ao rio surgiu algo que não estava à espera pois ainda não tinha aparecido... o vento.

Os 2km seguintes foram feitos contra o vento, não que fosse muito forte, mas que atrapalhava um pouco.

O atleta que ia comigo começou a fugir um pouco de mim, "Aguenta Vasco aguenta." pensava eu. Apesar de o recorde ser uma coisa mais que ao meu alcance, comecei a pensar "Epah tu queres ver que eu até faço abaixo da 1h24 ???"

Agarrei-me a essa ideia mas o vento atrapalhava um pouco. Ao entrar no km 20 virei-me para o atleta que entretanto voltei a apanhar e disse-lhe "Last km, last change, let's sprint together !".

Estava tão "emocionado" com a minha corrida que ainda tinha forças para acelerar.

Esse km final fiz em 4:00m e não foi mais rápido pois tínhamos de fazer uma subida bem íngreme a uns 500m do fim.

Feita a subida, descia-se um pouco e já se via a meta.

Virei à esquerda e lá estava na recta final, com muita gente a apoiar o último esforço.

Infelizmente vi logo no relógio da meta que não ia fazer abaixo das 1h24.

Recta final.

Acabei a prova com o tempo de 1h24m18s.

Recebi a medalha de participação e dirigi-me a uma mesa onde havia água e bebida isotónica. 

Ainda estava a pensar bem no que tinha acontecido. Estava calmo, nada acelerado da corrida.

Tinha acabado de bater o meu recorde com 2 anos de duração por 1m36s.

Lembro-me de em conversa ainda há pouco tempo ter dito que não esperava bater o meu recorde de 2015.

Pouco depois de ter acabado a prova, oiço atrás de mim.

"És português ?"

E eu parvamente respondi em em inglês mas pouco depois já ambos estávamos a falar em português.

Era um islandês que tinha vivido alguns anos no Brasil, o que teve piada é que o português dele nem se parecia muito com o sotaque brasileiro :) Até era mais parecido com o nosso sotaque.


Aqui fica um vídeo feito por um corredor que andou quase sempre ao meu lado e pouco depois à minha frente o tempo todo.

Ainda apareço lá 2x :D Vídeo


Numa loja de roupa estava um cartaz em que se viam alguns homens de fato e com ténis de uma marca. E pelos vistos eles correram mesmo.



Com este tempo se calhar já posso começar a tratar disto... :D 


Fecho assim esta época 2016/17 com :

2 Maratonas

13 Provas de 21km (Não foram 14 pois falhei a de Gondomar devido a uma pequena lesão)

1 Prova de 10km


Que venham mais provas e treinos CL "na EUL claro ;) " para 2017/18 ;)


Abreijos a todos !


Bónus : Algures no meio da Islândia ao pé de uma estrada... 

Um chuveiro !

Sim um chuveiro de água quente :D 



Morada

Contactos