Olá a todos ;)


Ora cá vamos para a última prova do ano a "Extreme Gerês Marathon".

Como podem ver pelo nome, a prova não prima por ser fácil...

Eu ia fazer a coisa pela metade ou seja a Meia Maratona, o que já daria água pelas barbas... que não tenho :)


Como podem ver pelo gráfico da prova a "coisa" metia medo, mas lá fomos armados em heróis sem medo.. 

Comigo no carro seguiam a Susana Amorim, o João Veiga, a Rita Ribeiro e a Luísa Nogueira.

Lá em cima também lá estariam o Paulo Ribeiro, Cristina Ribeiro, Adelino Trindade, Ana Martins, António Iria, Sandra Baptista e o Heitor Cardoso.

A prova tinha 3 distâncias, e em todas elas o Correr Lisboa ia ter representantes.

Nos 13km - A Cristina, Sandra e a Ana.

Nos 21km - Eu, Rita, Paulo, Susana e a Luísa.

Nos 42km (Os bravos) - João, Adelino, António e o Heitor.

Ficámos alojados em vários locais.

Eu fiquei com os mais malucos (João, Susana, Luísa e a Rita) numa casa que tinha uma lareira.

Lareira que dava chama sim senhor mas... aquecer uma casa de pedra tá quieto :|

Eu que costumo sentir menos frio que os restantes também o sentia.

A prova era sábado de manhã, ao contrário do que é costume, chegámos cedinho ao restaurante que geria várias casas ali ao pé incluindo a nossa.

À porta do restaurante estava uma cachorro branco com uma manchas castanhas que tremia de frio.

Desatámos a fazer umas festas no cachorro que era muito querido, perguntámos então no restaurante pelo cão.

Disseram que era o "Ice", e que andava por aí, e que era mesmo assim.

Não cheguei a perceber se eles eram mesmo os cuidadores do cão mas faz-me confusão no campo os cães serem tratados como "coisas" e regra geral dormem fora de casa, e naquele caso com temperaturas negativas....................

O pessoal lá tomou o pequeno-almoço e pouco depois seguimos para a corrida.

Eu ao contrário do normal estava preocupado com o frio, como sabem  eu corro bem no fresquinho mas isto podia ser um fresquinho diferente.

Nunca tinha corrido numa serra e com temperaturas baixas. Tinha vestido uma t-shirt térmica (que regra geral passado pouco tempo arrependo-me de usar pois aquece mesmo muito), a t-shirt da prova (estilo térmica também) e a nossa do Correr Lisboa por cima.


A minha ideia era ter só a do Correr Lisboa e um corta vento por cima, mas tinha-me esquecido de a trazer de Lisboa.

Assim corria e se aquece-se era só tirar... lá fui estilo cebola :(

A Maratona e os 13km começavam às 9:00, e 10 minutos depois era a vez da Meia Maratona.

A partida era na rua principal da Vila, a Rua Dr. Manuel Gomes de Almeida.

Esta prova devido à altimetria que tem, eu não ia correr para tempos, ia apenas para a fazer. 

Como não se formou propriamente um grupo (até tinha falado nisso uns tempos antes) decidi ir com a Rita pois era a mais rápida do nosso grupo na Meia Maratona.

E lá fomos nós, seguíamos sempre em frente e pouco depois apanhávamos já uma descida bem grande.

Saímos da vila e era sempre a descer, os primeiros 2km fomos a uma média de 4:07.

Mas lá para o km 2.5 a coisa mudou de figura... saíamos da estrada em que estávamos e virava-se à esquerda e a partir dali é basicamente sempre a subir :\

Tinha piada que essa era a estrada que nos levava a casa, mas na altura como não sabia o percurso nem pensei nisso.

Durante a grande maioria do tempo fomos à sombra, mas mal começamos a subir... o corpo esforça-se mais... o corpo começa a aquecer... e o Vasquinho começa a ficar com calor...

Tinha de ser, ainda nem ao km 5 tínhamos chegado já eu estava com calor.

Pensei... "Tiro a amarela, tiro a t-shirt da prova, tiro a térmica e coloco à cintura e visto as outras duas..."

Coloquei a térmica à cintura mas quando ia vestir a da prova pensei... "Eu daqui a pouco já vou querer tirar esta também, fica é já à cintura também :)

A Rita serviu de bengaleiro por uns instantes :)

Ora agora estava muuuuuuuito melhor, só de t-shirt... fresquiiiiinho.

O que dizer desta prova ?

O que se calhar todos os corredores de trail diriam.

É muito giro correr no meio de tanta árvore, de tempos a tempos num local ou outro onde não havia árvores, tínhamos uma vista deslumbrante.

Às vezes desafiam-me para fazer trails com a história da paisagem, ao qual eu digo sempre "Para ver a paisagem há caminhadas e aí contem comigo."

Fui metendo conversa por vezes com outros corredores, seguia um pouco à frente da Rita perguntando-lhe de tempos a tempos se ela estava ok.

Ela dentro do possível estava a dar o seu melhor, apesar da subida ser a mesma, eu ia bastante confortável, a ela custou-lhe bastante :\

Os abastecimentos foram +/- aos 7, 10 e 15km. Coisa curiosa, não chegámos a ver nenhum.

Normalmente nas corridas os abastecimentos são mesas com copos/garrafas ou pessoas a dar.

Aqui os abastecimentos eram como creio que muitos ou todos os trails são... Uma tenda em que se entra e lá dentro havia várias coisas. (Penso eu)

Eu devido a ir a um ritmo bem mais baixo dos costume e devido também ao frio não tinha sede nenhuma e a Rita também não quis parar.

E lá seguimos...

Entretanto esta corrida teve um lado negro.... Mas isso já vos conto...

Ao km 9 tínhamos uma curva apertada à direita, a dar a indicação estava um rapazito com uma placa a dar essa indicação.

Virei-me para ele na brincadeira e disse "Não nos estás a enganar pois não ? É mesmo por aqui ?"

Ela lá respondeu que era sim, mas com uma expressão estilo "Humm... aquele tipo é esquesito..."

Ao virar distraído com o miúdo nem dei conta que era uma descida muito íngreme mesmo, até soltei um pequeno "Uoooouuuuuhhhhh !"

Literalmente inclinei-me para trás para tentar ajudar a travar o balanço com que ia.

Aqui estávamos pertíssimo de casa. Por acaso para minha sorte, tinha sido eu o responsável de ficar com chave da casa.

Lembrei-me... "Epah se a corrida passar à porta de casa, vou lá e deixo a roupa que está aqui comigo."

Tau e foi mesmo assim... Virei-me para a Rita e disse-lhe o meu plano.

A nossa casa ficava numa rua que subia, lá parei a minha prova, saquei as chaves e abri a porta.

Ao entrar em casa um atleta disse-me na brincadeira "Então esse é algum abastecimento especial ?"

Lancei para o chão as duas t-shirt que tinha para o chão e fechei a porta.

"Epah entao vou deixar a roupa no chão ? Vou mas é pelo menos deixar no quarto."

E assim o fiz.

Ao sair de casa, apanhei muita malta a correr devagarinho ou a andar devido à subida.

Lá arranquei para ir ter com a Rita.

Uiiiiiiii... O que eu ouvi :D

Foram vários atletas a gozar comigo, uns que me viram a sair de casa e a acelerar, outros só porque me viram já só a correr enquanto quase todos andavam.

Ok esta parte custou-me bastante, mas lá apanhei a Rita passado um pouco.

Estes 1.5km foram feitos na aldeia de Ermida, e pouco depois lá saíamos da aldeia.

Voltávamos à companhia das árvores e outra vez na sombra.

Ao km 11 a prova começou a ficar mais lenta, andávamos a subir e a subir há já vários km, mas estávamos a 4km da mega descida.

Lá fomos indo aos poucos e poucos até que chegámos ao km15, último abastecimento.

Agarrem-se ao que puderem pois vamos descer a piiiiiiique.

Fizemos a descida numa média pouco acima dos 4:00m/km e digo-vos que custou-me de certa maneira mais esta parte que a anterior.

A descida era tão inclinada que eu ia mais a travar que a deixar-me ir :\

Nesta fase, já todos estávamos relativamente afastados uns dos outros, e passado um pouco vindo atrás de nós surge uma rapariga.

Eu já não via uma rapariga há bastante tempo. Lembrei-me que caso ela passa-se a Rita podia estar um lugar no pódio em risco.

Se se lembrarem da minha crónica da Meia de Almada em que fui com a Rita para a puxar para um novo recorde na meia, vão-se lembrar que a certa altura a rapariga que ia à frente dela apercebeu-se que a íamos passar e fugiu.

Não ía cometer o mesmo erro.

Não disse nada à Rita, ia vendo se a rapariga se chegava a nós ou não.

Aos poucos e poucos aproximou-se e passou, deixei ela ainda fugir só mais um pouco e fui ter com a Rita e disse-lhe baixinho.

"Não vemos uma rapariga há muito, eu não sei se ela pode estar num lugar de pódio, tenta não a deixar fugir e no fim atacas."

Não sei se a competitividade da Rita veio ao de cima, mas pouco depois de ter dito isto, a Rita aos poucos foi-se aproximando e aproximando e chegou mesmo a ultrapassa-la.

Ainda faltavam uns 4km...

Foi assim um pouco, mas a rapariga lá veio de trás de novo e começou a fugir, e fugiu e fugiu.

Nem valia a pena ir trás, era deixar ir.

Lá continuámos a louca descida e passado um pouco já estávamos quase a entrar na Vila de novo.

Era uma longa descida íngreme e lá ao fundo fazia uma curva/contra curva e era a recta da meta.

Lá ia seguindo em frente à Rita, e de tempos a tempos olhava para trás para ver como estavam as coisas.

Ainda nesta longa descida, ao olhar para trás vi o que me pareceu outra rapariga. Olhei de novo para confirmar...

Era outra rapariga !

Os dorsais de cada prova tinham uma cor específica, olhei para ver se era alguém dos 13km ou dos 42km.

E era da Meia também !

Ela aproximava-se a passos largos, mas para não dar bandeira berrei para a Rita e disse apenas "Vamos Rita bora tá quase, bora !"

Eu acho que ela não se tinha apercebido da outra rapariga e a outra rapariga estava cada vez mais próxima.

Eu lembrava-me que a recta da meta era longa, e ainda na descida a Rita é ultrapassada por esta rapariga.

De novo baixinho viro-me para a Rita e digo-lhe "Rita, depois das curvas vais correr para a morte ! Isto pode ser um pódio !"

Já na recta da meta começo a acelerar e a Rita segue, espero que a Rita se aproxime da rapariga... O plano de ataque começava...

A Rita desata a acelerar e ultrapassa a rapariga.

Arranco também e nesta altura eu entro em modo "Eu sou um megafone !

"Bora Rita !!!! Vai Rita !!! Não pares Rita !!! Sigaaaaaaa "

Foi tal a minha berraria e já com a visão da meta ao fundo, a Rita desata num sprint como se tivesse a fugir de balas disparadas aos seus pés.

Olho para trás e vejo que a rapariga tinha ficado para trás já sem reacção.

Mantive os berros na mesma, mais perto da meta vejo um fotografo a fazer com os dedos o número 3.

Berrei "És terceira Rita !!! Bora !!!"

Ao chegar à meta abrandei um pouco de modo a ela passar à frente afinal o momento é dela ;)



Ao passar a meta dei um berro de alegria. Fiquei mais contente com este final de corrida do que quando eu fiquei uma vez em 3º da Geral na Eco Meia Maratona de Vilamoura.

Lá estava sozinho, não tinha ninguém com quem comemorar.

Aqui tinha a Rita e mais a malta dos 13km que já lá estavam :D


A Rita ficou em 3º na Geral Feminina e 3º no seu Escalão.

No fim havia, sumos, batata frita, pão e sopas (uma delas vegetariana) Ena ena, comi duas com pão :D 


(A rapariga da esquerda, foi a que passou a Rita no km17 +/-)

Ao mesmo tempo que estávamos à espera que chamassem a Rita e enquanto esperávamos pela chegada dos bravos da Maratona.

Iam chamando os atletas de vários escalões...

De repente ouve-se "E em 3º lugar Cristina Ribeiro !".

Desatamos todos aos berros ! :D 

Ninguém estava à espera desta. 

Agora vejam isto...

Estávamos todos juntos, a Luísa estava com a sweat amarela do Correr Lisboa, e a Susana também, mas a Susana ainda tinha por cima mais um casaco e algo mais.

Aquilo foi tão inesperado que a Cristina vira-se para a Susana e diz "Dá-me a tua Sweat, dá-me a tua sweat !"

Toda atrapalhada a Susana lá consegue tirar a sweat e dar-lhe. Só depois é que reparámos que teria sido mais fácil a Luísa dar, foi a emoção :)


Pimba "Clã Ribeiro" a bisar na partida :D


Lembram-se de vos ter falado que a corrida teve um lado negro ?

E lembram-se do Ice ?

Nós chegámos sexta e voltámos segunda, e a corrida foi sábado de manhã.

Durante o tempo que ficámos lá andámos a passear pela serra, o grupo almoçava e jantava no tal restaurante em que tínhamos encontrado o Ice.

Sábado após a prova não o vimos, e domingo não o vimos.

A Luísa disse que o viu durante a prova... Mas ninguém sabia do cão.

Comecei a desconfiar que ela tinha morto o cão !!!!!!!!!!!! (som de violinos assustadores)

"O que fizeste ao cão Luísa ?" , "Aposto que afogaste o cão, diz a verdade Luísa."

Mas eu tenho aqui as provas...

Estas fotos foram tiraras pelo mesmo fotografo uma logo a seguir à outra...


E no segundo a seguir...


Mas o que fizeste ao Ice Luísa ?!?!?!?!?!

Que descanses em paz Ice...


Segunda feira ao nos despedirmos do local, miraculosamente surge o Ice.

A Susana tinha ido a casa buscar algumas coisas e apareceu ao pé de nós no restaurante com o Ice dentro do carro.

Ela mal abriu a porta do carro ele entrou :)

Tivemos que o deixar lá, ele olhou para nós e ao nos afastarmos fez uma cara de tristeza que até me senti mal.

Deve ter pensado "Mais uns que me fazem festinhas mas que depois me deixam aqui ao frio."

..............................