Olá de novo ;)


Hoje venho vos contar a minha aventura nas Canárias.

Em janeiro cá em Portugal só temos 2 Meias Maratonas (que eu saiba pelo menos), a Meia de Viana do Castelo e a Meia da Madeira.

Tendo já feito as duas, andei à procura de uma outra por esta altura, e descobri a Gran Canaria Maratón, esta prova inclui as 3 distâncias mais comuns, Maratona, Meia e 10km.

Cheguei no dia anterior, e tratei de ir à expo da corrida para levantar o dorsal. A expo não era assim muito grande por isso nem demorei muito tempo lá.

A minha prova iria começar pelas 8:30, juntamente com a Maratona, incrivelmente os 10km só começariam às 11:30 !!!

Tinha visto dias antes que a temperatura iria estar entre os 12º/18º, com possibilidade de chuva no dia da prova, felizmente não aconteceu.


Domingo

Saí de casa pelas 7:45.

Estava pouco mais de 1km da partida e já se via bastante gente a caminhar para lá.

Ao chegar à zona da partida, ouvi o speaker a dizer que eram 1800 atletas para a Maratona, 2000 para a Meia e 2200 para os 10km, em números redondos.

Uma outra coisa que ouvi, mas não cheguei a perceber bem foi o facto de ele ter dito que 60% dos atletas eram estrangeiros.

Realmente havia muita gente de fora, mas fiquei na dúvida se tinha percebido bem ou não.

No dia anterior apesar de saber que havia guarda-roupa não procurei onde ficava... e ao chegar lembrei-me que havia um placard grande a dizer o local de várias coisas.

Ia descansado a pensar que lá estava escrito... e não estava :|

Andei ali um pouco às voltas, perguntei a várias pessoas inclusive da organização e nada...

Via o tempo a passar e ainda não tinha aquecido. Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii...

Ao fim de umas quantas tentativas aqui e ali lá descobri e finalmente lá fui aquecer.

O arranque estava dividido em vários blocos.

Graças aos meus tempos nas provas de Coimbra e Reykjavik obtive a entrada no 1º bloco de partida, isto não contanto com a Elite claro :).

Quando abriram as portas lá me coloquei e continuei o aquecimento lá dentro.

Como é costume meu, não ia com um objectivo definido, era correr o melhor que desse e logo se via. Tinha colocado um aviso no relógio caso começasse a correr mais lento que 4:03/km.

O percurso sabia que era plano, não estava calor mas não estava tão fresco como gostaria.

O tempo ia passando, o meu bloco ia enchendo, a Elite também já se colocava à minha frente e também alguns atletas que iam arrancar com aquelas bicicletas meio "deitadas" (Não sei o nome daquele tipo de bicicletas)

Lembrava-me que tinha visto uns meses antes no YouTube, a transmissão da corrida na Television Canaria.

Se alguém quiser ver a prova deste ano cliquem aqui. (Antes da partida ainda apareço lá umas vezes)

Imagem sexy...

E a certa altura tinha apontado à minha cara uma camera de TV nem a meio metro de mim. Fiz um olá e lá fiquei estático esperando cortassem a fita dos blocos.

Não havia muitos atletas de elite, deviam ser uns 20, e cortada a fita fiquei mesmo atrás de um Queniano.

Tinha reparado antes que este Queniano tinha calçado uns Adidas Adios iguaizinhos aos que tive em... 2014 !

Achei isso curioso. Estava na 3ª "camada" de atletas, quase me senti da elite eh eh eh.

Ficámos ali ainda uns minutos, e esses minutos não foram propriamente agradáveis.

Como escrevi, estava mesmo atrás de um Queniano, ele não estava transpirado mas largava um cheiro a suor que quase dava para desmaiar o Chuck Norris.

Pensei "Como é que é possível ?!?! São quase 8:30 da manhã e já assim ?"

Dada a partida já nos lançámos à prova.

No início da prova havia logo uma subida longa, mas nada de sério.

Os primeiros 3km e pouco foram feitos dentro da cidade de Las Palmas, sempre feitos à sombra à conta prédios.


Esta primeira fase não era plana, mas as subidas e descidas eram muito diluídas em comprimento.

À sombra estava mais fresquinho :)

Tive um arranque forte, nestes km rolei num média de 3:40's, ia ainda no meio do pelotão da frente, obviamente os Quenianos já pareciam estar lá no horizonte, e eles iam para a Maratona.... raios.


Ao fim destes primeiros km saímos do "centro" da cidade e passamos a correr na GC-1, uma via rápida junto ao oceano e já ao sol.

A vista aqui era agradável, excepto uns barcos lá ao fundo que deu para perceber que era de perfuração de petróleo, mas tirando isso corríamos junto ao mar, passando por uma marina, e por um passeio onde iam pessoas andando a pé ou de bicicleta.

A marginal era bastante plana, num ou outro local subia um pouco mas nada de especial e continuava a sentir-me bastante forte.

Não tanto como no início que há sempre aquele pico de loucura mas andava a rolar nas casa dos 3:50's.

O primeiro abastecimento foi feito com garrafa, algo que não é normal em Espanha, e os seguintes também foram de garrafa. Usei então o truque da palhinha pois a tampa que tinha não era compatível.


Fomos sempre em frente até ao km 8 e pouco, onde quem fazia os 21km fazia o retorno, os restantes atletas seguiam em frente.

Ao fazer o retorno dei conta de algum vento contrário, não era forte mas fazia-se sentir.

Por esta altura já os atletas estavam todos bem espalhados pela estrada. Seguia há já algum tempo com 4 outros atletas, 1 Norueguês e 3 Espanhois.

O caminho de volta era exactamente o mesmo até ao centro da cidade. Por volta do km 12 quase ia caindo :o.

Seguiamos os 4 e eu vinha atrás, sempre a pensar "Está a custar mas tenho de me agarrar ao grupo, se os largo vou desacelerar."

E como vinha atrás não via bem o que se estava à nossa frente, a uma certa altura a estrada fazia uma bifurcação para um túnel e nós tinhamos de continuar pelo lado direito.

A separar a bifurcação estavam uns cones que eu não vi, e ao me aperceber tive de dar um salto por cima de eles atrapalhando-me um pouco, mas lá me safei.

Seguia no grupo e lá entrámos para o centro da cidade.

Tinha chegado ao km 12 sempre a correr abaixo dos 4m/km, devido ao vento que apanhámos na volta e às ligeiras subidas que íamos voltar a apanhar tive a primeira quebra.

Fiz então o meu 1º km acima dos 4m/km (4:12).

Aos poucos e poucos o grupo foi-se diluindo, os 3 Espanhois ia fugindo aos poucos e poucos mas mantive-me com o Norueguês.

Voltando ao centro da cidade, aproveitando algumas descidas e já à sombra voltei a baixar dos 4. 

Já só seguia com o Norueguês, e é por volta desta altura que dou conta que o meu ritmo médio estava na casa dos 3:49.

O meu "recorde" de Coimbra era 3:56m/km. Comecei a pensar que se calhar era possível acontecer magia.

Sentia-me relativamente bem, e achava que mesmo com alguma quebra que se calhar a coisa fazia-se.

Pouco tempo depois ultrapasso o Norueguês e começo-me a afastar-me muito aos poucos e poucos.

Pensei "Isto se formos juntos é mais 'fácil'.", viro-me para ele e berro "Come on, let's go !!!"

A verdade é que não tínhamos sequer trocado uma palavra antes ou qualquer outro contacto, e pouco tempo depois ou ele acelerou ou eu sem querer abrandei e voltámos a correr lado a lado.

Seguimos juntos quase sempre abaixo dos 4m/km.

Chegados ao km 18 saíamos do centro da cidade e entrávamos numa especie de "passeio marítimo" do outro lado da cidade.


Olhava para o relógio e vi que era possível, não sei se por muito ou por pouco mas era cada vez mais plausível o recorde ser batido.

Fomos os 2 lado a lado, mas sem ser aquela onde de picanço, umas vezes eu um nadinha à frente outras vezes ele.

Irmos os 2 daquele modo e junto ao passeio marítimo que tinha uma praia mesmo ao lado, fez-me lembrar o filme "Momentos de Glória" :D

Foto

Seguimos e seguimos e nesta altura veio-me à mente aquele pensamento que por vezes me ataca na prova quando até estou a fazer um bom tempo...

"Ataco para ainda fazer melhor ou deixa lá estar isso que já está muito bom."

Mas desta vez a preguiça perdeu... Caraças já que ia para recorde é para dar mais um esforço.

E dentro do possível lá lhe dou com um pouco mais de força.

Eu nas provas costumo correr numa zona em que já não é confortável mas nunca no "red line".

Aqui tentei puxar mais um pouco mas sem aindachegar ao "red line" mesmo assim, pois tenho sempre receio de esticar a corda a sério.

E aos poucos e poucos começo a descolar do Norueguês.


Já via lá ao fundo a meta, faltava pouco, os últimos 2 km fiz numa média de 3:52 e os últimos 100m a 3:39 !

Catano estava já ali a glória eh eh eh

Na recta da meta estava montada uma bancada enorme cheia de gente a puxar pelos atletas.

E como vínhamos só uns muito aos poucos e poucos dava para perceber que aqueles aplausos naquele momento para mim.

Ergui o meu punho esquerdo fechado para eles com a cara como se estivesse a dizer "Consegui caraças, obrigado !"

Tinha de soltar a alegria de algum modo... mas não tinha ninguém na meta para comemorar, não queria que fosse o costume nas provas em que estou só eu e acabo a prova e acabo como se não fosse nada.

Mas o que fazer ?!?!

Atravessei a meta, parei o relógio e sem pensar fechei os punhos e berrei para me ouvirem em Lisboa...

"Toooooommmmmmaaaaaaa caaaaaaaaraaaaaaa#%$%#$%#$%#$%#$%#$ !!!!!!!!!!!"

Ahhhhhh... que alívio. 

Queria tanto ter ali a malta para poder comemorar em condições, mas olhem foi o que se pode fazer.

No fim virei-me para trás e fui ter com o Norueguês para falar com pouco com ele.

Ele tinha vindo de uma operação a uma das pernas e era a primeira prova que fazia após a operação.

Uma coisa que achei esta prova complectamente diferente das provas espanholas foi o apoio.

Praticamente toda a prova foi feita sem apoio, só mesmo na meta é que estava bastante gente.

Não sei se por a ilha estar cheia de turistas e/ou residentes estrangeiros, não havia apoio popular quase nenhum nas ruas, que pena.

Tinha batido o meu recorde pessoal, aliás esmaguei o meu recorde.

Em Reykjavik tinha feito 1:24:18, e em Coimbra 1:23:45.

Mas Coimbra tinha uma mega descida de 3km e depois era plana, por isso tinha um pouco de reticências em dizer isso como recorde.

Aqui fiz 1:22:32 ! Tauuuuuuuuuuuuuu.

No fim tivemos direito a águas, fruta, uns bolos para quem quisesse e massagens.

Nunca me lembro das massagens, mas desta vez como até cheguei "cedo" fui logo lá, a fila só tinha 3 pessoas e eram uns 20 ou mais massagistas :D 

A medalha, para mim é das giras que tenho.


Muitas vezes dão só importancia à medalha e a fita qualquer coisa serve. Esta é toda coloria e bem larga, muito gira mesmo.

Tirando a falta de apoio, a prova é muito engraçada e aconselho.


Bom até à proxima meia em Cascais ;)

Abreijos !